terça-feira, 19 de junho de 2012

DMLU de Porto Alegre mantém um ‘lixão a céu aberto’ na Estação de Transbordo da Lomba do Pinheiro



No último sábado (21/03) o administrador Enio Noronha Raffin fez uma fiscalização nos serviços públicos executados pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) junto a Estação de Transbordo da Lomba do Pinheiro (ETLP). Essa ETLP do DMLU, que fica localizada na estrada Afonso Lourenço Mariante número 4401, no bairro Lomba do Pinheiro, em uma área de 18 hectares, recebe diariamente os resíduos sólidos urbanos da capital gaúcha. Imediatamente após a descarga do lixo na ETLP, o DMLU deve transferir esses resíduos para o aterro sanitário da empresa SIL Soluções Ambientais Ltda, em Minas do Leão (RS). Isso acontece porque o Município de Porto Alegre não tem aterro sanitário municipal. Inacreditavelmente o DMLU de Porto Alegre mantém nessa estação de transbordo um “lixão a céu aberto”. É uma montanha de lixo domiciliar com mais de 15 metros de altura. O lixo lá depositado a céu aberto, obstrui duas rampas da ETLP. Chega a ser de cor escura, o que sinaliza que está acumulado nesse local há 30 dias no mínimo.
Montanha de lixo de mais de 15 metros de algura
Montanha de lixo de mais de 15 metros de altura
A estação de transbordo como o próprio nome sinaliza, serve para a transferência do lixo e não para depósito de resíduos a céu aberto. Os serviços operacionais realizados na ETLP apresentam deficiência operacional e de planejamento. O cheiro do lixo se espalha pela vizinhança da ETLP. Vetores estão pousados no cume da montanha de lixo dentro da ETLP e nos telhados das construções dessa estação de transbordo do DMLU. Não há qualquer controle de vetores no local. Um caos no lixo. Quem chega a frente desse empreendimento do DMLU no bairro Lomba do Pinheiro (o prefeito Fogaça, o vereador Adeli Sell, o diretor geral do DMLU Mário Moncks e outros interessados, lá deveriam comparecer) irá visualizar a sua direita, uma placa indicativa da ETLP em péssimas condições de conservação. A guarita que fica a direita na entrada principal, que deveria servir para o controle de acesso ao interior da ETLP, está abandonada e depredada. Simplesmente não há vigia no local, apesar do empreendimento funcionar dia e noite. O portão frontal está permanentemente aberto e sem controle, veículos particulares entram sem que sejam barrados e identificados. Animais (cachorros) circulam junto ao lixo depositado a céu aberto na ETLP.
Cachorros circulam pelo lixão a céua aberto na Estação de 
Transbordo do DMLU
Cachorros circulam pelo lixão a céu aberto na Estação de Transbordo do DMLU
Do lado esquerdo da entrada principal do empreendimento público há um pequeno prédio, onde fica a balança de pesagem do lixo. O “balanceiro” que exerce a sua função no local faz o controle da pesagem dos resíduos sólidos urbanos que ingressam na ETLP. O sistema de pesagem é informatizado. O balanceiro, funcionário do DMLU, não é o vigia do local. Nem poderia o ser, são funções diferentes. Não é possível controlar a pesagem do lixo e fazer o controle das pessoas e veículos que acessam a ETLP ao mesmo tempo. O administrador Enio Noronha Raffin e o jornalista Vitor Vieira permaneceram por mais de 1h30 a frente da ETLP. Fotos foram feitas no local e ocorrências foram registradas. Lá se conseguiu apurar o que acontece na limpeza urbana da capital. Nessa semana  estaremos comentando o que por lá se apurou. Consultando o portal da FEPAM, sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos públicos e privados, pode-se constatar que lá não se encontra divulgada a Licença Ambiental de Operação (LO) da ETLP, o que é bastante curioso. Assim como no site do DMLU não há qualquer sinal desse documento ambiental em questão.
Vetores no cume da montanha de lixo e no telhado da ETLP
Vetores no cume da montanha de lixo e no telhado da ETLP
A FEPAM deveria comparecer imediatamente na Estação de Transbordo da Lomba do Pinheiro e tomar as providências de estilo, quanto ao lixão a céu aberto, os vetores, os animais que lá estão circulando junto aos resíduos, analisar a coleta de chorume, o armazenamento do líquido, as suas análises, e dar conhecimento público dessa inspeção. A FEPAM também poderia dizer quando foi feita a última visita  nesse empreendimento do DMLU de Porto Alegre.
Poderá também gostar de:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário